O Blog Do Mendes

Os Nomes dos Cafés

Publicado em Penas de Pato por miguelaj em February 20th, 2009

Os nomes dos nossos estabelecimentos hoteleiros dizem muito sobre o estado da nossa mentalidade, numa determinada época. Basta olhar para os letreiros dos nossos cafés para intuir que o factor que preside à sua cristanização é sempre um ideal de progresso, uma postura provinciana perante aquilo que é moderno e novo. O provinciano é todo aquele que ama o progresso em todos os seus aspectos externos (formais e acessórios), independentemente do que esse progresso possa representar para a vida práctica. Ora, como o progresso é uma coisa constante da vida, e representa sempre o mesmo em termos essenciais, apenas muda nos seus aspectos visíveis ao olho português. E é precisamente essa parte que parece interessar a quem baptiza os cafés de Portugal. Os letreiros dos nossos estabelecimentos são como que cataventos, que apontam o sentido dos ventos soprados pela modernidade que vem de longe. Existem 4 gerações de cafés. Existe uma 5ª geração, uma espécie de geração zero, uma pré-história do baptismo caféeiro, anterior e exterior a tudo isto. São os cafés culturalmente periféricos. São pequenos negócios de família. Chamam-se Café Barbosa, Café Pereira, Café Central, Café Juventude, Café Estação, Café Artur, e têm nomes correntes e despretensiosos, de uma autitude quase rural perante o progresso: renegando-o. Não pretendem representar nada e os seus nomes são estéticamente ocos. Têm imensa pinta, porque não pretendem ter nenhuma.
 
1ª Geração: Cafés cujo nome remete para os ideais de glamour, pompa, charme, requinte e grandeza da sua época. Numa altura em que o mundo, culturalmente, era europeu. São cafés amplos e de pé direito alto, com cheiro a café acabado de espremer, empregado de laço e suspensórios, camisa de manga curta e bolso com canetas e bloco de notas lá dentro, um vendedor de cautelas cego ao balcão, um pequeno quiosque que vende revistas e chocolates regina, mesmo à entrada. Café Roma, Café Paris, Café Princesa, Confeitaria Presidente, Café Imperial, Café Império, Café Rialto, Café Mónaco, Café Águia Real, Também não é de todo desprezível um apelo ao nosso próprio império: Café Lusitano, Café Douro e, porque não, Café Lisboa.
 
2ª Geração: Entramos na geração dos nomes que pretendem atingir o estatuto de prestígio antravés de trocadilhos inteligentes. São os Cafés com nomes compostos por várias palavras conjugadas. Cafés com grades de cerveja empilhadas, caricas no chão, calendários pirelli, veteranos do ultramar mal dispostos ao balcão,e chiclas pirata e gorila em frascos redondos de plástico. São os Café Katekero, Café Vai-e volta, Café Kátespero, Café Douripão, Café Panitejo, Café Maritó, Café Tómizé. É aqui que aparece pela primeira vez um certo apelo turístico, a louvar as virtudes de um clima que potencia o conceito de esplanada: Café A-ver-o-mar, Café Suave Brisa, Café Miratua.
 
3: Geração. Quando a mundo passa a ser culturalmente americano. Os ventos da modernidade e do ideal de categoria sopram agora desde o outro lado do mar.  Estes cafés já foram baptizados por gente mais “culta” e mais “instruída”, gente com o coração no estrangeiro. São os cafés da geração da TV, do sonho americano, dos filmes de hollywood, do homem na lua, dos livros de banda desenhada e dos índios contra caubóis. É a geração de cafés que formaram a minha própria geração. Cafés com setas, hamburgers e fatias de pizza ultracongelada, panikes, toldos lipton e cadeiras de plástico. Pela primeira vez, os nomes dos estabelecimentos deixam de ser em português e, nos casos de maior requinte, estão mal escritos. Café Hollywood, Café Maiami, Café Havay, Confeitaria Popeye, Café Tropical, Café Asterix, Café Dallas, Café Frog, Café Snoopy, Café No-name, Café Rock, Café Stop, Café Space,
 
4ª Geração. A actual. Com a América na mó-de-baixo em termos de prestígio e pinta, chegamos à tirania da estética do “cool”. Do clean. Do minimal. De milão. De Ibiza. São os cafés com “café” no fim. Lounge Café, fashion café, Cool café, Zen café, VIP café, Silk Café, River Café. Cafés com pouffs espalhados pelo chão e um plasma na parede a emitir o fashion tv 24 horas por dia. O filho do dono dá a cara, é ele o lider espiritual de todo este conceito. O dono, esse, está escondido na copa a contar o apuro e a despachar notas de encomenda. Não se mostra, pois nem sequer sabe pronunciar direito o nome do estabelecimento do qual é proprietário.
 
Nota: Os nomes avançados a título de exemplo são imaginados. Contudo, em alguns casos, coincidem com exemplos reais. Foi sem qualquer intenção. Mas seria impossível evitar essa coincidência.

13 Responses to 'Os Nomes dos Cafés'

Subscribe to comments with RSS or TrackBack to 'Os Nomes dos Cafés'.

  1. Daniel said, on February 21st, 2009 at 6:08 am

    mesmo sendo coincidencia, acertaste em alguns…pelo menos que eu conheça…

    grande post…ja tinha pensado sobre isso tb.

    Abraço

  2. André Saramago said, on April 30th, 2009 at 2:17 pm

    Grande Mendes… desafio-te a pregares (passe a expressão ) de igual modo acerca de algo mais histórico no que a estabelecimentos hoteleiros diz respeito. E não falo das pousadas.. essas já eram, falo das Tascas e casas de Pasto e Adegas. É igualmente valoroso. Aquele abraço!

  3. mendes said, on April 30th, 2009 at 2:19 pm

    Ti André!

    Um prazer receber-te neste meu próprio tasco. Este ano os azeitonas vão outra vez às festas do crato, e vamos por os copos em dia, sem duvida.

    Sim, esse circuito das tascas é de valor forte sem duvida

    Um grande abraço!

    mendes

  4. Farner said, on May 8th, 2009 at 7:43 pm

    Man, já não publicas malhas há muito. Esqueceste o Blog e só teclas no myspace agora..

  5. Ana said, on May 17th, 2009 at 12:28 am

    Genial!! :)
    os da 2.ª geração são os da minha infância… aqueles em que, já não me lembro porquê (talvez nem houvesse razão), eu pedinchava as caricas! E lembro-me do cheiro delas todas juntas, um misto de frisumo de ananás com super bock!! Ai senhor, era cada passatempo…!

    Parabéns pelo que nos mostras, esse teu jeito fantástico para as palavras e para as notas musicais… :) correndo o risco de me repetir pela enésima vez, admiro muito o teu trabalho e é com orgulho que aqui me confesso uma azeitôla!

    bjs

  6. Nádia said, on June 2nd, 2009 at 10:39 pm

    Miguel, já que não te casas, vamos só ver os aviões levantar vôo, pode ser?

  7. Rita said, on September 3rd, 2009 at 9:30 pm

    Café Mendes também não ficava mal, vê só, numa de revivalismo era boa ideia abrires um tasquito ;-)

  8. Luis said, on March 24th, 2010 at 8:56 am

    obrigado pelos que tens ai ajudaram me imenso para um projecto escolar

  9. Helena said, on April 4th, 2010 at 10:21 pm

    Gostei do seu texto, aliás gostei muito. Tem jeito de crónica. Posso utilizá-lo para trabalhá-lo com os meus alunos?

  10. miguelaj said, on April 5th, 2010 at 8:17 am

    Olá Helena!

    Claro que sim, pode usar o texto como quiser.

    Mendes

  11. Helena said, on April 5th, 2010 at 9:09 pm

    Olá Miguel,

    Agradeço a amabilidade e espero que a minha interpretação assim como a dos meus alunos não fique aquém do teu talento e originalidade.

  12. 020121 said, on October 15th, 2010 at 1:29 pm

    ODIEIIIIIIIIIIIIIIIIII

  13. Flavia Mendes said, on January 22nd, 2014 at 2:13 am

    Parabéns pelo excelente texto.
    Tenho lido muito a respeito de café.
    Estou abrindo um café.
    E estava pensando em chama-ló de café Mendes.

Leave a Reply